19/10/2017

Outubro Rosa: se toca!


Mais uma vez, temos um mês dedicado à conscientização de uma doença muito séria. Mês passado, tivemos o suicídio como tema chave, dessa vez, o câncer de mama.

A campanha Outubro Rosa nasceu em Nova York em 1991, com a corrida pela cura do câncer de mama. Aos poucos, começou a ocupar mais espaço pelos Estados Unidos até alcançar o mundo inteiro. O nome remete ao laço que foi distribuído na corrida que era da cor rosa.

04/10/2017

Resenha: Sociedade da Rosa

Foto do livro Sociedade da Rosa

Autor(a): Marie Lu
Editora: Rocco
Páginas: 331
Ano: 2015
Classificação: ✰✰✰✰

No segundo livro da série Jovens de Elite, tudo o que Adelina Amouteru quer é se vingar de todos que a decepcionaram. Para isso, ela e sua irmã, Violetta, partem em busca de outros Jovens de Elite - malfettos com poderes - para criarem o próprio exército. O problema é que agora ela tem dois inimigos: a Inquisição e a Sociedade dos Punhais.

27/09/2017

Um novo Amora Mia


Este ano de 2017 está sendo muito importante para mim. Tenho vários projetos - alguns serão desenvolvidos mais tarde - mas está sendo um ano bem agitado e com diversas mudanças acontecendo. Uma dessas mudanças, é com o blog.

Este blog já está há 3 anos no ar. Passou por diversos assuntos e diversos meses sem atualizações, mas são 3 anos tentando encontrar uma forma de escrever que me agrade ao mesmo tempo que te agrade. Depois de diversas pausas e momentos em que eu acreditei ter encontrado o que era melhor para todos, eu percebi que só agora eu realmente encontrei uma forma de manter tudo atualizado - blog e suas redes sociais - sem prejudicar a minha vida pessoal ao mesmo tempo. Só agora, eu encontrei uma forma de me manter motivada.

20/09/2017

Setembro Amarelo: Precisamos falar sobre suicídio


Hoje, eu iria publicar um post totalmente diferente que este. Na verdade, eu nem pretendia abordar o assunto por aqui, mas depois de tanto pensar, eu percebi que ele poderia ser muito importante para muitas pessoas, e esse sempre foi o objetivo do blog. Não importa se eu estarei apresentando livros legais ou praticando a minha escrita. Eu quero ajudar de alguma forma e esse mês, é tempo de falar sobre suicídio.

Com tantas pessoas acreditando que esse é um enorme tabu, é difícil de falar e a informação acaba não chegando em quem precisa. Por isso, o CVV (Centro de Valorização da Vida), CFM (Conselho Federal de Medicina) e ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria) trouxeram para o Brasil o Setembro Amarelo visando conscientizar as pessoas desse mal que afeta cada vez mais pessoas.

13/09/2017

Como foi a Bienal do Livro 2017?


Mais um ano de Bienal do Livro aqui no Rio de Janeiro se foi. Agora, é esperar até 2019 ou juntar dinheiro para ir na de São Paulo - que para mim só vale a pena se for para ver algum autor. Já havia dado algumas dicas para aproveitar o evento aqui no blog e espero que elas tenham ajudado você porque elas me salvaram.

Com isso, vou contar para vocês como foram meus únicos dois dias de Bienal.

06/09/2017

Resenha: A Prisão do Rei


Autor(a): Victoria Aveyard
Editora: Seguinte
Páginas: 538
Ano: 2017
Classificação: ✰✰✰✰

Esta resenha pode conter spoiler de Espada de Vidro. A continuação da leitura, sem ter lido o livro anterior, poderá estragar a sua experiência com a história.


Apesar de ter sido o melhor até agora, Victoria ainda não acertou totalmente na hora de desenvolver a história do terceiro livro da série "A Rainha Vermelha".

O terceiro livro começa exatamente onde "Espada de Vidro" terminou: Mare sendo capturada por Maven e ficando presa no castelo Calore, sem seus poderes e tendo que acatar as ordens do novo rei de Norta. Sabendo que a guarda está de olho nos sangue-novos, Maven decide trazer essas poderosas pessoas para o seu lado e usará Mare para conseguir isso.

23/08/2017

5 dicas para aproveitar a Bienal do Livro


Um dos eventos mais esperados - pelo menos por mim - que acontecerá aqui no Rio de Janeiro é a Bienal do Livro: uma enorme feira que reúne vários expositores de livros com preços, normalmente, abaixo do comercializado. Porém, o evento vai muito além de apenas compras. Dentre a programação disponibilizada, podemos encontrar workshops, debates, sessões de autógrafos, etc.

Este ano será minha terceira Bienal, por isso, separei algumas dicas de como se preparar para aproveitar o máximo do evento, de acordo com a minha própria experiência.

02/08/2017

Resenha: O Martelo de Thor


Autor(a): Rick Riordan
Editora: Intrínseca
Páginas: 392
Ano: 2016
Classificação: ✰✰✰✰

E mais uma vez estou aqui para falar de um livro do Rick Riordan, só que dessa vez, sobre a trilogia Magnus Chase e os Desuses de Asgard.

No segundo livro da série, seis semanas se passarão depois do final do primeiro livro. Com seus amigos, Hearthstone e Blitzen, desaparecidos, ele fica encarregado de uma missão que se não for bem sucedida, poderá dar início ao Ragnarök: encontrar o martelo de Thor sem precisar usar o plano de Loki.

Na continuação dessa história incrível que poderia ter cinco livros ao invés de três, podemos nos reencontrar com Magnus e sua personalidade sarcástica e outros personagens tão queridos. Também somos apresentados a um novo einherji que possui gênero fluído, não se identifica com nenhum gênero, Alex. Esse(a) personagem deu toque especial no livro por ser diferente de todos os outros. A maior parte dos habitantes do hotel Valhala começa morrendo de medo dele(a) porque ninguém consegue se aproximar. Ele(a) já começa atacando à todos - não só com palavras, mas fisicamente também.

Com a inclusão desse personagem, Rick Riordan, mais uma vez, dá um exemplo de representatividade e isso é incrível tanto para quem se encaixa na minoria representada, quanto para quem não se encaixa. Vivemos em um mundo com tanta diversidade que a presença delas não deveria ser uma surpresa, mas algo que pudesse ser encontrado em todos os livros.

Além disso, podemos conhecer a história de mais um dos amigos de Magnus, Hearthstone, e um pouco mais de sua jornada. Hearth sempre foi um personagem que eu queria colocar num potinho e proteger de todo o mal e agora, sinto isso ainda mais. A história dele é algo que nunca imaginei.

O livro continua com o mesmo toque de humor do anterior, mas o final deixou um pouco a desejar. A ansiedade do que está por vir permanece o livro inteiro, mas aconteceu tudo muito rápido. Poderia ter sido melhor desenvolvido e causado um mistério a mais. Mas, a sensação que eu tive foi a que o desfecho era muito óbvio e não teve nada que pudesse impedir.

Magnus Chase continua sendo uma história que eu recomendo à todos que gostem de mitologia nórdica, ou querem conhecer. Rick sempre nos ensina de uma forma divertida e não parece que estamos aprendendo.

Gostaram da resenha? Já leram o livro? Me contem nos comentários ;)

26/07/2017

A menina e os livros

Era uma vez, uma menina pequena e bochechuda. Ela não era princesa, nem uma camponesa de um reino distante. Era apenas uma menina comum, como eu e você. 

Os pais dela eram muito inteligentes e sempre acreditaram que os livros possuíam um poder incrível. Eles não liam até ela dormir, pois sabiam que ela ficaria acordada até o final para saber o que aconteceria. Liam apenas histórias curtas para que ela pudesse ter bons sonhos. É claro, que isso se tornou um hábito. Ela gostava de ouvir alguém lendo, gostava de ler e gostava de usar os livros para fingir que era professora. Ela amava muito os livros, mesmo não tendo muito cuidado com eles. De tanto que ela mexia neles, as folhas se soltavam ou rasgavam, mas eles continuavam sendo especial para ela.

A menina foi crescendo e crescendo, até que ler livros deixou de ser apenas uma diversão e se tornou obrigação. Todo ano ela era obrigada a ler quatro livros que os professores escolhiam para a turma, e depois, deveriam fazer uma prova para mostrar que realmente o leram. Eram livros cheios de letras e nenhuma figura, com histórias que ela não achava legais. Ela não queria mais ler, mas o fazia porque gostava de ter notas altas na escola. 

Os livros foram se tornando cada vez mais chatos e ela foi criando diversas maneiras para conseguir ler tudo até a prova. Ela passava meses lendo livros curtíssimos e viviam reclamando com os pais. "Por que ler livros se eu posso esperar ele virar um filme?", ela perguntava, mas nada que ninguém dissesse a fazia mudar de ideia. 

A menina que amava livros, passou a odiá-los. 

Para ela, os livros de adulto eram chatos. "Sorte das crianças. Por que só fazem livros legais para elas? Por que perder tanto tempo descrevendo algo se podiam ter colocado uma imagem mostrando?", ela se perguntava. 

Anos se passaram e o ódio por livros não diminuía. As pessoas não lembravam mais da menina que andava sempre com livros, só da menina que não gostava de ler. Nem ela se lembrava mais dessa menina que um dia havia sido.

Um belo dia, as pessoas começaram a comentar de uma nova história de sucesso. O livro havia se transformado em filme e muita gente estava indo assistir. A menina também queria, mas seus pais não. Demorou, mas ela conseguiu assistir e pouco tempo depois, lançaram a continuação. Mas, ela estava gostando tanto da história que queria saber o que aconteceria depois. "Por que vai demorar um ano para lançarem o terceiro?" ela perguntava, mas filmes demoram para serem feitos menina. 

Até que uma hora, ela cansou de esperar. No Natal daquele mesmo ano, ela mandou uma carta para o Papai Noel pedindo os livros dessa história que ela estava apaixonada. Ela sabia que havia sido uma boa menina, mas será que Papai Noel acreditaria que ela os leria? Será que ele achava que ela iria abandoná-los?

Papai Noel trouxe para ela dois livros dos quatro livros cheios de palavra. "Será que você consegue ler tudo isso?", perguntou o pai da menina quando viu o que ela ganhou. Mas, mesmo o livro sendo muito grande e cheios de palavras, ela soube que conseguiria. Pois, depois de muito tempo, aquele era um livro que ela queria ler. Ninguém a forçaria, ninguém duvidaria que ela leu porque ela estava fazendo aquilo por ela e não mais pelos outros.

19/07/2017

Amizade na Blogsfera



Para essa semana, resolvi participar de uma blogagem coletiva com o tema: Amizade na Blogsfera. O tema foi definido pelos membros do grupo de Facebook que eu amo muito chamado Daydream.

Quando eu entrei no mundo dos blogs, as pessoas postavam por prazer. Era muito difícil alguém ficar rico ou famoso dessa forma. Eu não ligava para números, nem para publicidade, mas tinha uma responsabilidade enorme com meus blogs. Eu não gostava de ficar um dia sem postar.

Eu cresci, a internet cresceu e os tempos mudaram. Agora, existe muita gente que transformou o blog em trabalho e tira toda a sua renda dele. E não só com o blog, mas no YouTube também. Isso seria incrível se não fosse um grupo de pessoas que acha que para fazer sucesso, precisa derrubar toda a "concorrência". E é muito triste ver que as pessoas preferem gastar suas energias torcendo para que o outro falhe, ao invés de se dedicar ao próprio conteúdo. Por que fazer isso? Todos podemos nos ajudar, todos podemos crescer, todos podemos atingir nossas metas.

É claro que não são todas as pessoas que são assim. Já encontrei muita gente nessa blogsfera que quer crescer com você, ao invés de tentar te sabotar. Mesmo não se conhecendo pessoalmente, você pode sentir a honestidade quando ela te dá um conselho. E isso é muito bom. Torna o desgastante trabalho que é ter um blog, muito mais prazeroso porque tem alguém que te entende e já passou por coisas que você ainda não passou. 

Nesse grupo que eu citei, as pessoas são assim. Estão sempre interagindo e te ajudando, caso você tenha algum problema. Se você está procurando amizades honestas, lá é um bom lugar para começar.

Por fim, nada mais justo do que eu indicar alguns blogs que me ajudaram em algum momento desse período. Espero que gostem deles também.

Leitura Kriativa - a blogueira também é autora e ela foi a primeira autora parceira do blog.
Livros & Chantilly - está ausente do blog, por enquanto, mas desde o início eu percebi que temos muito em comum.
Sorriso Espontâneo - foi ela quem me apresentou o grupo e sou muito grata por isso.

Gostaram o post? Possuem alguma amizade na blogsfera? Me contem quem são ;)

07/07/2017

Resenha: O Oráculo Oculto



Autor(a): Rick Riordan
Editora: Intrínseca
Páginas: 313
Ano: 2016
Classificação: ✰✰✰✰✰

Ao contrário dos outros livros do Rick Riordan, este não é protagonizado por um semideus, mas sim, por um deus em forma humana.

Apolo foi castigado por seu pai, Zeus, por causa das ações de um dos seus filhos na série "Os Heróis do Olimpo". Para recuperar seus poderes, ele precisa cumprir as ordens de uma semideusa chamada Meg McCaffrey e provar que é digno; mas, é claro que isso não será fácil porque quando ele chega ao Acampamento Meio-Sangue, o lugar está quase vazio. Agora, sem poder mandar os outros fazerem o trabalho sujo por ele, Apolo precisa completar sua primeira provação: descobrir a razão do Oráculo não estar funcionando e onde estão os semideus que estão desaparecendo misteriosamente.

Esse é, sem dúvidas, o meu livro favorito do tio Rick. Apolo - que apareceu bem pouco nos livros anteriores - provou que merece o prêmio de melhor deus do ano.  Ele é muito engraçado, dramático e egocêntrico e essas características tornam a história divertida de uma forma que nenhum dos outros livros foi (nem mesmo Magnus Chase). São reclamações sobre o corpo que foi designado à ele, a falta de poderes, o quanto o pai foi injusto entre outras coisas que tornam o livro engraçado de uma maneira que os outros não foram. Todo mundo tem problemas enormes, mas as únicas coisas que Apolo se preocupa é com futilidades.

Nesse livro, também podemos ver a relação de um deus com seus filhos, coisa que nenhum outro livro mostrou. A relação de Apolo com os filhos - que agora têm a mesma idade que ele - é linda. Os deuses estão sempre no Olimpo e nunca dão atenção aos filhos e nessa história podemos ver um pouco pelo outro lado. É claro que a humanidade o deixou mais sensível quanto isso, mas fica o mistério para saber se quando ele voltar a ser deus, lembrará de tudo o que os filhos fizeram por ele.

Apesar de o foco estar em outros semideuses, como em Nico di Angelo e os filhos de Apolo, podemos ver alguns antigos de volta, como Percy Jackson e Leo Valdez, e descobrir o que aconteceu com os outros. Annabeth não aparece porque ela está fazendo participações especiais em Magnus Chase, mas ter a presença do Leo depois do final de Heróis do Olimpo preenche o vazio que ela deixou.

E falando em Nico, o que foi esse relacionamento com o Will Solace? Eles conseguiram roubar a cena com pouquissímos momentos juntos, mas que mostravam tanto amor que eu quase me afogava na fofura deles. Espero poder ver mais deles no próximo livro.

O segundo livro já foi lançado no Brasil. Em breve farei resenha dele também. 

Se interessaram pelo livro? Gostam de mitologia grega? Conhecem outros que falem sobre? Me contem nos comentários ;)

07/06/2017

Resenha: Espada de Vidro


Autor(a): Victoria Aveyard
Editora: Seguinte
Páginas: 485
Ano: 2016
Classificação: ✰✰✰

Vou começar essa resenha avisando que contém spoiler de A Rainha Vermelha. A continuação da leitura sem ter lido o livro anterior poderá estragar a sua experiência com o livro.

Falar sobre Espada de Vidro é uma tarefa complicada porque é um livro que eu amei e odiei ao mesmo tempo.

O livro continua do mesmo ponto que termina o  primeiro. Mare e Cal conseguem escapar e buscam refugio com a Guarda Escarlate, mas eles não podem ficar por muito tempo. Eles precisam encontrar os sanguenovos - pessoas que possuem sangue vermelho, porém, com poderes - que Julian colocou em uma lista para, só então, terem uma chance contra Maven e a Rainha Elara.

Só pela sinopse, eu já imaginava que o livro seria mais parado, afinal, eles teriam que buscar todas as pessoas que se encontravam na lista. Porém, quando li os primeiros capítulos em "Coroa Cruel", me surpreendi porque não parecia nada disso. A história estava empolgante e sofri muito porque eu ainda não tinha o livro para continuar a leitura e só aqueles capítulos não eram o suficiente. Minha expectativa subiu e foi aí que o primeiro problema apareceu - porque quando ela sobe, a chance de se decepcionar acompanha.

"Se sou uma espada, sou uma espada de vidro, e já me sinto prestes a estilhaçar "

Eu sempre tive um pouco de implicância com os personagens principais, mas a Mare se superou. Ela ficou insuportável! Era de se esperar que ela saísse de Rainha Vermelha com traumas e desconfiada, mas não do jeito que estava. Ela se torna uma máquina de caçar sanguenovos e não mede esforços para isso. Tudo o que passa pela sua cabeça é se vingar de Maven e Elara e suas atitudes a afasta dos amigos e família. Ela perdeu o ar "heroína" e começou a não se importar com quem morria desde que ela alcançasse seu objetivos. Isso é uma coisa interessante, mas não da forma que a autora escreveu. Ela se torna arrogante e age como se só ela fosse importante para a causa.

Cal também mudou com a traição de Maven e com o que a Elara o obrigou a fazer no último livro, mas ele consegue manter a cabeça no lugar. Sua imagem de príncipe continua lá junto com toda a arrogância que parece vir com a cor do sangue. Mas, ao contrário da Mare, ele não age como se fosse o único que importa. Na verdade, é ele quem a "controla" muitas vezes.

A pior parte do livro é a busca pelos sanguenovos. Essa parte do livro é muito arrastada. A autora até tentou dar uma movimentada com os imprevistos. Colocou algumas batalhas, mas não foi nada que me fizesse pensar "Uau, que cena incrível!". Os novos poderes são muito interessantes e, alguns, até inéditos, mas nenhum personagem me conquistou a ponto de entrar na listinha de favoritos.

Agora, o final vale todo o livro. Maven volta a ter uma importância maior, pois ele fica fora de cena a maior parte do livro, e apesar do que alguns falam, ele é incrível sim! É um vilão muito bem construído que merece meu tempo porque ele é uma das melhores partes da história.

Enfim, Espada de Vidro é um livro razoável. Ele não é de todo ruim, é bom, mas não tem nada demais. O início e o final são a melhor parte, mas o meio é bem cansativo e parece que demora séculos para passar.

Por isso, me digam. Vocês se interessaram pelo livro? Pretendem encarar esse desafio? Me contem nos comentários.

12/05/2017

Sessão de autógrafos da Jojo Moyes


Quando se é anunciado que uma autora está vindo para o país, todos surtam. É a sua melhor chance de conseguir uma foto, um autógrafo ou só dizer o quanto o trabalho dela é importante para você. Era isso que eu queria junto com todos os outros "Jojolovers".

Infelizmente, isso não foi possível para todos. A sessão de autógrafos só ocorreu em dois estados: Rio de Janeiro e São Paulo; e se tornou ainda mais impossível com a disponibilização das datas e horários, já que em ambos os estados, a sessão foi durante a semana com distribuição de apenas 200 senhas às 8h da manhã.

O evento ocorreu nessa segunda-feira (08/05) no final da tarde e foi muito calmo e organizado. Jojo foi uma querida com todos. Conversou, abraçou e posou para as fotos sempre com um sorriso no rosto. Ela não estava fazendo isso por obrigação, mas por paixão, e ficava claro para cada um dos que entravam no espaço reservado para a sessão.

Brindes do evento (marcadores, bottons e imã) e os dois livros autografádos
Saí do evento mais feliz impossível. Consegui autógrafo nos meus únicos dois livros e pude conhecer uma autora muito fofa e gentil. Se eu não me considerava uma "Jojolover" antes, me considero agora.

Já leram algum livro da autora? Qual o seu favorito? Me conte nos comentários ;)

29/03/2017

#258: Carta à um artista solitário


Caro artista,

Não sei se você está assim porque quer ou porque a vida te levou por esse caminho. Às vezes, criar na solidão é bom. Nada te distrai da sua arte e não aparece ninguém perguntando o que você está fazendo. Mas, nada em excesso é bom. Inclusive a solidão.

Saia com os amigos, converse com as pessoas, ria, se aventure por um lugar desconhecido, chore, grite, se orgulhe e se decepcione que, eu te garanto, sua criatividade só irá aumentar. Não adianta ficar na sua zona de conforto eternamente. Coisas boa só acontecem conosco quando saímos de nossa caixa e olhamos o mundo em volta.

Coisas ruins também acontecerão, é claro, mas é com elas que aprendemos. Sempre podemos tirar algo bom de tudo o que fazemos. Não deixe seu medo de viver te afastar das pessoas. Aposto que elas sentem sua falta. Ou vai me dizer que desde que você sumiu ninguém te procurou? Eu não acredito nisso.

Para mim, está tarde demais. Não tenho mais amigos, minha família não liga para mim e tudo isso foi porque me preocupei mais em trabalhar para fazer dinheiro do que aproveitar o que eu já tinha. A vida é feita de equilíbrios. Encontre o seu.

Atenciosamente,
Outra artista

22/03/2017

Resenha: Jovens de Elite


Autor(a): Marie Lu
Editora: Rocco
Páginas: 300
Ano: 2014
Classificação: ✰✰✰✰✰

Sabe quando você pega um livro para ler, acha que vai ser bom, mas percebe que ele é incrível? Então, foi exatamente isso que aconteceu comigo. Jovens de Elite não é um livro cansativo e nem demora para ficar interessante. Ele é apaixonante do início ao fim!

Adelina vive em uma época em que várias pessoas foram contaminadas por uma febre misteriosa. Algumas pessoas morreram, algumas ficaram marcadas, mas poucas ganharam habilidades especiais. Os marcados são conhecidos como malfettos e os que são poderosos podem ser recrutados para um grupo conhecido como Jovens de Elite.

Porém, engana-se quem acha que ter sobrevivido à febre e ganhado poderes é algo bom. Os malfettos não dão orgulho a ninguém, muito pelo contrário. E os suspeitos de possuírem qualquer tipo de poder são queimados vivos em uma praça.

Jovens de Elite é uma história que mostra um cenário muito conhecido e abordado - caça às bruxas -, mas de uma forma nova e livre de clichês (na maior parte do tempo) e isso foi o que mais me encantou! Adelina está muito mais para vilã do que para mocinha, porém, como é ela quem narra, às vezes fica difícil de identificar em qual dos dois ela se encaixa. Ela é culpada de muitas tragédias que ocorrem durante o livro, mas nem sempre ela tem essa intenção. Isso me fez parar muito para refletir porque nem sempre as pessoas que consideramos ser os vilões, são na realidade. É tudo ponto de vista; e toda história tem mais de um ponto de vista.

Apesar de ter criado uma história encantadora e escrever maravilhosamente bem, a autora não soube desenvolver o romance. É algo muito: sabia que ia acontecer, mas não vi acontecendo. Conforme a leitura se desenvolve, fica óbvio quem fica com quem, porém, tudo acontece de repente. Não tem um clima e nem parece que eles tem química. É algo muito raso e não parece que tem sentimento envolvido.

Os personagens secundários dão um toque muito bom ao enredo, mas poderiam ter sido mais desenvolvidos. Explorar mais seus pensamentos, sentimentos e história teria deixado o livro mais rico e matado a minha enorme curiosidade de conhecê-los. Espero que Marie Lu os desenvolva mais no próximo livro.

Tirando esses pequenos pontos negativos, Jovens de Elite foi um livro que entrou na minha lista de favoritos e fez com que uma das minhas metas seja fazer com que todos leiam essa história maravilhosa! :P

Para quem se interessou, a série é uma trilogia. O segundo livro é Sociedade da Rosa e o último livro será lançado no segundo semestre deste ano \o/

Já leram esse livro? O que acharam? Pretendem ler? Me contem nos comentários ;)

08/03/2017

Dia Internacional das Mulheres


Pensei em várias maneiras de escrever um post aqui no blog que representasse bem todas a mulheres do mundo. Todas as lutas, todos os direitos que não temos e todos os que estamos querendo conquistar. Mas, isso não é possível, porque cada mulher é única. Buscar uma única forma de nos representar é apenas aceitar todos os rótulos que a sociedade impõe, por essa razão, escolhi dizer apenas Feliz Dia das Mulheres a todas nós. 

Não importa se você vai à manifestações ou se apoia de casa, seus sonhos, seus desejos, suas lutas, sua religião, sua orientação sexual, seu gênero, sua classe, sua cor, se trabalha em casa ou se trabalha fora, se sonha em ser mãe ou prefere não ter filhos; o que importa é que você é mulher e merece sim esse dia tão especial.

Que nosso dia seja muito feliz e que possamos viver em um mundo onde não nos neguem nenhum direito.

Para quem não sabe, teremos manifestações em todo o mundo. Procure o lugar mais próximo a você e lute pelos seus direitos.


08/02/2017

Resenha: Um livro para ser entendido


Autor(a): Pedro HMC
Editora: Outro Planeta
Páginas: 239
Ano: 2016
Classificação: ✰✰✰✰✰

Tive o prazer de conhecer o canal no YouTube do autor recentemente, e desde o início, se tornou um dos meus canais favoritos. O Põe na Roda é um canal criado por ele para falar de assuntos relacionados a comunidade LGBT - especialmente os Gs que são os mais mencionados - e ajudar não só os membros, mas também os que se solidarizam com a causa, a conhecer mais sobre a diversidade que está tão presente no nosso mundo e que está tomando cada vez mais espaço na nossa sociedade.

O livro não é um romance, na verdade, não sei muito bem onde ele se encaixaria porque sou péssima para separar gêneros, mas eu diria que é um auto-ajuda, pois é isso que ele faz: ajuda. Não só os "unicórnios" - como são chamados carinhosamente, por algumas pessoas - mas, a todos os que querem abrir a mente para entender essa comunidade que está ganhando tanta visibilidade e conquistando, aos poucos, os direitos que merecem. E se você é uma dessas pessoas mente aberta, deixo o que vocês irão encontrar ao ler esse livro:

"Por isso, você, entendido ou não entendido, é muito bem-vindo para ler este livro e ficar entendendo algumas coisas, como: nasce ou torna-se gay? Desde quando sou gay? Por que tantos rótulos? E o estereótipo? O que são as muitas letras da sigla LGBT? Meu amigo é gay? O que não dizer pro meu amigo gay? Como é viver no armário? Como se assumir? E a família tradicional brasileira? E a Bíblia? E os homofóbicos? E, principalmente, QUEM ESSE VIADO PENSA QUE É pra falar sobre todos esses assuntos? Fez a chuca e tá querendo cagar regra agora? Meu Deus, o que ele acabou de dizer? Pois bem, seria legal você ler este livro pra entender muitas dessas coisas."

Deu para notar que o livro fala de muitas coisas, não é? Além de todos esses tópicos, o livro também conta com QR Codes que te direciona aos vídeos do Põe na Roda que abordaram os assuntos do capítulo, aprofundando o tema. Como já assisti todos os vídeos do canal, não assisti novamente enquanto lia, mas vale muito a pena parar um pouquinho para ver. Alguns são muito emocionantes e ajuda a nos colocar no lugar no outro.

Como já está bem claro pela quantidade de estrelas que eu dei, amei o livro. Não só pelo conteúdo, mas pela linguagem informal usada. Deixou o livro menos "sério" e mais dinâmico. Sem parecer que estamos tendo uma aula, mas conversando com um amigo nosso. Além de tornar o livro mais fácil de ler, nos arranca boas risadas com as expressões usadas.

Acharam o livro interessante? Pretende ler? Me contem nos comentários ;)
Link do seu blog - créditos

Tema Base por Butlariz